segunda-feira, 28 de dezembro de 2009

ANIMANIA PATO AQUI, PATO ACOLÁ




















Seth recebe uma encomenda da Pata Doralice, uma antiga namorada dele e Via
Web Zeca fala com o animador Carlos Eduardo Sobral sobre outro pato, o do
filme “Quac”, um pato diferente dos demais.

No Catavento, o animador Marcelo Marão mostra como animou o pato azul, herói
de seu primeiro filme “Cebolas são azuis, que é exibido.

Seth descobre que tem um filho com a Pata Doralice e Andrés Lieban aparece
prá falar do Pato Pateta e mostrar seu filme “O Pato”, criado à partir de
uma música consagrada de Toquinho.

Seth resolve chocar o ovo e no Córtex, Zeca animado mostra o
filme “Ambigranima” do animador Jackson Abacatu, sobre um pato que hora está
na lagoa, hora voando no céu.

Finalmente o ovo se quebra e Seth ganha um filho: um patinho! Seth só não
conta que um ovo maior ainda acaba de chegar...será ele, o pai desse ovo
também?

O Programa vai ao ar n dia Data de exibição: 04/01/2010 às 19:00h com reprise no dia 08/01/2010 às 18:30h

quarta-feira, 23 de dezembro de 2009

ANIMANIA - O AMOR ESTÁ NO AR
















Seth está amando e Zeca mostra prá ele que o amor anda solto na animação,
como no filme "Amor Mor", de Zélio Pinto, onde um homem encontra uma amável
mão que o acaricia...resta saber até quando.

Via Web Zeca fala com a animadora Vivian Altman sobre seu filme "Uma
História de Amor", onde uma mulher precisa saber o que fazer para aumentar a
sua auto-estima.

Seth marca um encontro com sua amada e Zeca fala com o animador Carlos
saldanha, o animador brasileiro que faz sucesso mundial com os filmes da
franquia A Era do Gelo. Carlos fala de como saiu do Brasil á procura de seu
verdadeiro amor: Fazer animação, e mostra seu primeiro filme autoral: "Time
for Love". No Catavento a animadora Tania Anaya fala do amor e mostra seu
filme "Balançando na Gangorra".

Além disso, um amor muito inusitado aparece no Animania. É o filme "Love &
Marriage" da diretora Özgül Gürbüz diretamente da Turquia.

Chega a hora de Seth encontrar seu grande amor…será que dessa vez
ele “desencalha”?

O programa vai ao ar no dia 28/12/2009 às 19:00h, com reprise no dia 01/01/2010 às 18:30h

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

MUMIA CONCORRE A PREMIO DE MELHOR EVENTO EM BELO HORIZONTE DE 2009















Uma miscelânea de aconteces movimentou Beagá em 2009 e rendeu 40 edições do Mixsórdia, com mais de 800 sugestões diversas e divertidas. Em clima de retrospectiva, o prêmio Mixsórdia vai eleger os melhores do ano em dez categorias, celebrando a disposição dos realizadores e do público para sair da inércia e arranhar o diverso.

Quem escolhe é você. O resultado será divulgado no primeiro Mixsórdia de 2010, em 20 de janeiro. Vote e convoque seus amigos a participar também. A equipe do Mixsórdia deseja boas festas e um ano novo cheio de realizações e, é claro, muitos eventos bacanas dos quais você fica sabendo aqui.

http://mixsordia.com/premio/

sexta-feira, 18 de dezembro de 2009

MoMA recebe criaturas e obsessões de Tim Burton em megaexposição











"Há algum médico aqui? Quero checar se estou morto. Isso parece uma experiência fora do corpo." Foi assim que o diretor Tim Burton definiu a sensação de participar da abertura da maior exposição já realizada pelo MoMA (Museu de Arte Moderna de Nova York) sobre a obra de um cineasta.

Até abril--, serão exibidas mais de 700 obras, entre desenhos, figurinos, cartazes, maquetes, bonecos e fotografias. As peças retratam não só como foram criados alguns dos principais personagens e enredos dos filmes mas também exploram as obsessões estéticas do diretor.

O resultado é um ambiente em que transitam sem atrito personagens tão díspares como os seres fantásticos de "Os Fantasmas Se Divertem" (1988), as crianças de "A Fantástica Fábrica de Chocolate" (2005), a delicadeza sombria de "Edward Mãos de Tesoura" (1990) e os coloridos monstros de "Marte Ataca!" (1996).

Um universo em que o diálogo escrito ao lado de um dos bonecos é verossímil: "Uma noite, em um bar, tive uma grande surpresa. Conheci uma garota que tinha muitos olhos. Ela era realmente muito bonita (e também muito chocante!) e reparei que ela tinha uma boca, então, começamos a conversar".

"Não pensava nesse material como arte porque não foi criado para ser visto, era material que me ajudava em meu processo mental. Do que eu gosto na exposição é que não é apenas uma caracterização, não é apenas material de filme ou de desenho; fizeram um bom trabalho em apagar as linhas que separam as duas coisas", disse.

Durante o anúncio para a imprensa, Burton agradeceu a todos os que vasculharam seus armários e disse que a experiência foi muito positiva, apesar de não conseguir observar partes da mostra que representam aspectos muito pessoais.

A exposição apresenta desde desenhos dos tempos de infância de Burton até o pouco conhecido período em que ele trabalhou como animador da Disney e inclui a exibição do filme "Hansel e Gretel", animação do começo dos anos 1980.

Durante a mostra, o museu vai exibir 16 filmes do cineasta, além de obras que lhe serviram de inspiração, como "Nosferatu" (1922), de F.W. Murnau, "Frankenstein" (1931), de James Whale, "A Revanche do Monstro" (1955), de Jack Arnold, e "Glen ou Glenda?" (1953), de Edward Wood. No último caso, Burton fez "Ed Wood" (1994), sobre o cineasta.

A respeito da estética dos filmes, Burton afirma que o expressionismo alemão, os filmes de Fritz Lang e a dinâmica entre sombra e luz o fascinam.

O novo filme de Burton, "Alice in Wonderland" (Alice no País das Maravilhas), será lançado em março do ano que vem. No Brasil a estreia está prevista, segundo o site IMDB, para o dia 16 de abril de 2010.

Janaina Lage para a Folha de São Paulo 20/11/09

O Trailer de Alice in Wonderland pode ser visto em
http://www.youtube.com/watch?v=DeWsZ2b_pK4

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

ANIMANIA - O NATAL CHEGOU

















Zeca prepara uma surpresa de Natal para seus alunos de uma oficina de
animação, mas o presente vem mesmo é animado por belas estórias de natal,
como nos filmes “Oh, oh, oh uma Historieta de Natal”, de Marcello Laruccia.
Via Web Zeca mostra o filme “O Natal do Burrinho” de Otto Guerra.
A produtora e criadora Mariana Caltabiano aparece para falar do "Natal de
Gui e Estopa", dois personagens muito animados criados por ela.
Zeca Noel prepara um saco cheio de filmes animados, prá festejar com seus
alunos, mas a festa só estará completa, quando Seth se fantasiar de
rena...será que ele topa? Zeca animado, deseja felicitações aos amigos do
Animania com um belo filme: “Cartão de Natal - Crie e Mude”, animado pelo
desenhista André Pádua.

o PROGRAMA VAI AO AR NO DIA 21/12/2009 às 19:00h E Reprise no dia de Natal 25/12/2009 às 18:30h

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009

4ª Mostra Disseminação de Videos Experimentais













Palácio das Artes
4ª Mostra Disseminação | 15 a 18 de dezembro
Cine Humberto Mauro


O Cine Humberto Mauro recebe, entre 15 e 18 de dezembro, a IV Disseminação – Mostra de Cinema e Vídeo Experimentais. A curadoria da mostra selecionou 26 vídeos para exibição; dentre eles, dois estrangeiros – um da Alemanha e um da República Tcheca.

Os temas dos trabalhos são variados e passam por diversas questões da contemporaneidade, como política, religião, literatura e sociologia e por diversos generos cinemtaograficos: Animaçao, documentarios, ficcoes e video arte.

De acordo com Renato Almeida, um dos idealizadores do Disseminação, o objetivo principal do evento é a experimentação de artes que merecem ser disseminadas. Nos quatro dias, sempre às 19hs, o público vai poder conferir – gratuitamente – vídeos, performances e videoinstalações de uma geração de artistas que propõe novos métodos de linguagens em mídia digital.

15 TER
19h SESSÃO DE ABERTURA IV DISSEMINAÇÃO – CURTAS INÉDITOS I

16 QUA
19h CURTAS INÉDITOS II + RETROSPECTIVA DISSEMINAÇÃO I

17 QUI
19h CURTAS INÉDITOS III + RETROSPECTIVA DISSEMINAÇÃO II

18 SEX
19h CURTAS INÉDITOS IV + RETROSPECTIVA DISSEMINAÇÃO III


Serviço
Evento: 4ª Mostra Disseminação
Local: Cine Humberto Mauro
Data: 15 a 18 de dezembro
Entrada franca com retirada dos ingressos meia hora antes da sessão
Balcão de Informações: 31 3236-7400 31 3236-7400


Maiores informaçoes:
www.disseminacao.com.br
http://www.fcs.mg.gov.br/agenda/1455,4ª-mostra-disseminacao.aspx

domingo, 13 de dezembro de 2009

METROPIA
















Essa animação muito dificilmente chegará ao publico de Belo Horizonte.

Animação "Metropia" usa fotos como base e tem voz de Juliette Lewis
FERNANDA EZABELLA
da Folha de S.Paulo

A voz de Vincent Gallo continua a mesma, meio frágil, delicada, estranha. Todo o resto é diferente, afinal de contas estamos falando de um filme de animação, "Metropia", ainda que feito com uma técnica inovadora que usa como base fotografias de gente de verdade.

Divulgação

Roger, com voz de Vincent Gallo, tenta desvendar trama conspiratória na Europa
Gallo empresta sua voz ao protagonista Roger, um homem franzino, careca e tatuado, que lidera uma trama de paranoia conspiratória, envolvendo uma marca de xampu azul, numa Europa sombria conectada por câmeras e trens subterrâneos. Uma história tão esquisita como os filmes estrelados pelo ator americano.

A atriz e cantora conterrânea Juliette Lewis dá voz à loira misteriosa do metrô, Nina, que leva Roger nessa aventura futurística, de Paris a Estocolmo. "As pessoas esperam ver em filmes de animação uma coisa pra cima, positiva. Mas nunca haverá um McLanche Feliz de "Metropia'", avisou o diretor Tarik Saleh, sueco de ascendência egípcia, em passagem pela 33ª Mostra, em sua terceira visita a São Paulo.

A primeira foi com seu filme de estreia, "Sacrifício" (2001), premiado no Brasil, que confrontou a história oficial sobre a morte do revolucionário Che Guevara; e a segunda foi com "Gitmo" (2005), sobre presos de Guantánamo, em Cuba. Para o diretor, os três filmes falam da mesma coisa: "Sou obcecado pela ideia do cara pequeno que luta contra o sistema", disse Saleh, que foi grafiteiro na Suécia por 15 anos antes de fazer cinema.

"A estética, a criatividade, "Metropia" tem o mesmo espírito do grafite." Antes de filmar "Metropia", Saleh e o diretor de arte, Martin Hultman, criaram cerca de 30 curtas de animação para desenvolver uma nova técnica, apelidada de "boneca de papel". "É baseada em fotografias, mas não é fotografia. Usamos as texturas das fotos, tiramos os olhos de um, a boca de outro e vamos assim construindo um personagem", explicou Hultman.

"Utilizamos um software, mas de maneira errada. Em vez de criar efeitos especiais, nós fazemos animação." Roger, por exemplo, é baseado no chef de um restaurante de Estocolmo, que posou para centenas de fotografias, assim como outras 400 pessoas.

Para fazer a voz, o diretor tinha dois atores em mente --o comediante Adam Sandler, quando o filme ainda tinha chances de ter uma pegada mais comédia, e Gallo, que gostou da ideia de não ter que representar mais um galã. "Ele me falou que não queria mesmo que o personagem fosse parecido com ele, mas, quando viu Roger pronto, não gostou nada do que viu. Disse que parecia o [diretor argentino] Gaspar Noé", disse Saleh.

quinta-feira, 10 de dezembro de 2009

ANIMANIA - VELHINHOS QUADRO A QUADRO





















Zeca vai animar o Relógio do tempo e Seth corre com o trabalho prá economizar
tempo.
O relógio dispara, fazendo Seth envelhecer e ver que os Velhinhos já foram
bastante animados quadro a quadro.
O animador Sérgio Yamasaki aparece para falar de uma velhinha aparentemente
inocente e mostrar os filmes "Hein?" e "Roubada", do Estúdio Conseqüência.
No Córtex, um velhinho que vive na praça no filme "A Velha Verdade", de Luiz
Del Duca e Francisco Elizardo Pinto.
No Catavento o animador Léo Ribeiro também numa praça, fala sobre seu
filme "Roque, uma Jogada Mortal", uma estória de velhinhos disputando lugar
numa mesa de xadrez.
Zeca resolve voltar os ponteiros do relógio do tempo e Seth deixa de ser
velho....resta saber se ele não ficou novo demais!

O progrma vai ao no dia 14 de dembro as 19 horas com reprise no dia 18 de dembro as 18:30 pela TV Brasil

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

PREMIADOS 7 MUMIA

















Com um verdadeiro sucesso de publico e crítica o 7º MUMIA – Mostra Udigrudi Mundial de Animação aconteceu de 28 de setembro a 05 de outubro de 2009, em seletas escolas de rede Municipal de Ensino de Belo Horizonte. Pelo terceiro ano consecutivo a parceria com a Escola Integrada incluiu sessão comentada como forma de incentivar e colaborar para que crianças e jovens reflitam sobre o cinema de animação e compreendam essa linguagem numa dimensão artística e não somente a partir de padrões impostos pelo mercado televisivo. A idéia do MUMIA nas escolas é contrapor a lógica mercadológica imposta ao publico infantil e juvenil, no que diz respeito a produção audiovisual, permitindo que crianças e adolescentes, tenham contato com diferentes realidades sociais, por meio de curtas autorais de diferentes partes do Brasil e do exterior, diversificando estilos, culturas, técnicas e temáticas envolvendo conteúdo educativo.

De 26 de outubro a 01 de novembro no tradicional Cine Humberto Mauro no Palácio das Artes em Belo Horizonte e de 30 de novembro a 056 de dezembro em vários locais de Betim, cidade vizinha a Belo Horizonte.

Uma verdadeira maratona com 220 filmes oriundos de 26 países divididas em mais de 100 sessões, totalmente gratuitas. Foi com sucesso que fizemos pela primeira vez a Sessão Bêbê exclusiva para mães e pais com crianças de colo de até 18 meses de idade com uma seleção de filmes consagrados brasileiros e internacionais e também pela primeira vez firmamos a parceria com o Dia Internacional da Animação, evento promovido pela ABCA – Associação Brasileira de Cinema de Animação que movimento as dependências do Palácio das Artes no dia 28 de outubro.

O curta brasileiro premiado foi O ANAO QUE VIROU GIGANTE, do veterano animador carioca Marão.Com 10 minutos de duração o curta trata de questões de identidade e como se aceitar do jeito que é. O filme foi aclamado pelos jovens que descreveram e desenharam a experiência de ver o filme.

O curta internacional premiado foi A MALDIÇÃO DA ILHA DISTANTE (KAUKOSAAREN KIROUS) de Chrzu da Finlândia. O curta trata de questões cruciais e pontuais da MUMIA, como um rebelde culto a historia da animação misturando anarquia, subversão e ironia com um total engajamento a estética underground tropical com viagens no tempo e graves conseqüências.

Já estamos preparando a 8ª edição com uma homenagem a Bukowski, abertura com Mercano, El marciano de Juan Antin e as melhores animações do planeta, porque o underground existe, persiste e é um osso duro de roer.

terça-feira, 8 de dezembro de 2009

FUTURAMA
















é uma série de animação estadunidense ganhadora do Emmy criada pelo autor de Os Simpsons, Matt Groening, produzida pelo também americano David X. Cohen e que narra as aventuras de Fry, um entregador de pizza novaiorquino que cai em um tanque criogênico e acorda mil anos no futuro.

Aclamada pelo público e pela crítica, estreou em episódios de meia hora na Fox dos Estados Unidos no dia 28 de março de 1999, teve quatro temporadas. Pouco conhecida no Brasil passa no canal a cabo FOX.

PERSONAGENS
FRY - Philip J. Fry, também conhecido como a Criança do Destino pelos niblonianos — único ser do universo capaz de neutralizar a ameaça dos Cérebros Voadores — era um entregador de pizza ruivo de 25 anos até que, na noite de 31 de dezembro de 1999, depois de ter caído num trote e ido ao centro de criogenia fazer uma entrega, foi empurrado pelo impulso de uma língua de sogra da cadeira em que estava sentado para um tanque de congelamento onde ficou em animação suspensa até ser acordado no ano 3000. Talvez por nunca ter se dado bem na sua época natal, se adaptou com gosto à vida no século XXXI mesmo não estando familiarizado com alienígenas, bacon descafeinado e naves espaciais.

Graças à fuga da implantação do chip de carreira proposto por Leela — que depois viria a se juntar a ele desistindo do trabalho que detestava — conheceu o robô Bender — fanfarrão cleptomaníaco e bêbado inveterado — na fila de uma cabine de suicído que pensou ser um telefone público; fugindo com os dois da polícia, encontrou refúgio e um novo emprego na agência de entregas do seu tataratataratatara... sobrinho, o Professor Farnsworth.

Mora dentro do closet de Bender no apartamento para robôs Robot Arms, na cidade de Nova New York, e passa as suas horas livres vendo TV e bebendo Slurm.
Com uma inteligência inferior à dos outros personagens, ocasionalmente tem seus momentos de gênio como na vez que salvou todo mundo do ataque omicroniano encenando para os invasores o último episódio perdido de A Advogada Solteira — uma sátira do seriado do ínicio do anos 50 Ally McBeal.

Também se tornou o próprio avô em uma visita acidental a Roswell em 1927 — paradoxo que, segundo Nibbler, é razão da imunidade do garoto ao poder dos Cérebros.
O seu primeiro nome é uma homenagem ao dublador dos Simpsons Phil Hartman — voz original de Lionel Hutz e Troy McLure — morto no ano em que Futurama foi ao ar.
Teve Um Rápido Caso com a Personagem Amy

LEELA
Turanga Leela é a capitã com um olho só cabelos roxos presos em rabo de cavalo da nave da Planet Express. Até uma segunda ida aos esgotos — quando descobriu que era a filha de um simpático casal de mutantes — acreditou ser a única sobrevivente de uma raça extinta, o que quase a fez se casar com o farsante Alkazar, dono de quatro castelos em um planeta misterioso.

Deixada na porta do Orfanato de Segurança Mínima de Cookieville com um bilhete em linguagem extraterrestre, teve uma infância sofrida por causa do preconceito das outras crianças, superada através da prática de artes marciais e outros esportes. Por mais que esconda a todo custo, nutre sentimentos por Fry, com quem é casada no Universo B.
Certa vez dormiu com o general da D.O.O.P. Zapp Brannigan em uma missão para salvar as espécies de Vergon 6 — frustrada graças ao apetite voraz de Nibbler, que pensou estar perdido lá e adotou como animal de estimação.
Seu nome é uma homenagem à sinfonia Turangalîla — do sânscrito Ritmo, Vida e Morte — do francês Olivier Messiaen. Sua voz (na versão em inglês) é interpretada por Katey Sagal, que já atuou em séries como "Married with Children" (1987), "8 Simple Rules" (2002) e recentemente teve participação em "Lost" como a namorada de John Locke.

BENDER
Bender "Entortar" (Bending) Rodriguez é uma Unidade de Entortar Industrial 22, filho de número 1729 de uma linha de produção da Fábrica de Robôs Amigos da Mamãe, localizada no coração da América, Tijuana, México. Formado em entortamento, se tornou uma figura lendária na sua fraternidade da Universidade de Marte, Épsilon Rô Rô, mais conhecida como Casa dos Robôs, depois de beber um barril inteiro de cerveja e colocar cinqüenta humanos em uma cabine telefônica — a maioria deles só crianças.

A palavra que Bender mais fala é Bunda. É cleptomaníaco assumido e um criminoso condenado, só quer saber de falar palavrão, beber para abastecer suas células de energia e detestar humanos.
Viola freqüentemente as Três Leis da Robótica e a únicas coisa que teme são abridores de latas elétricos por terem tirado a vida do seu pai, temia cair de costas e não levantar mais (como as tartarugas) mas superou isso em pouco tempo ao descobrir que se ele pode se virar balançando-se para os lados. Teve uma carreira meteórica na Super Liga dos Robôs Lutadores. Ex-praticante de robotologia, escapou do Inferno Robótico com Fry e Leela. Já foi faraó de Osiris IV e deus de uma civilização de pequenos homens espaciais enquanto vagava pelo Universo. Tem o nome inspirado no arruaceiro John Bender, interpretado em 1985 pelo ator norte-americano Judd Asher Nelson no filme The Breakfast Club. Já Foi Membro da Máfia dos Robôs e tem Tendência a Cometer Suicidio

PROFESSOR FARNSWORTH
Professor Hubert J. Farnsworth, ou simplesmente "Professor Farnsworth", é o tatarataratatara... sobrinho de Fry que, com seus 160 anos — que finge serem 150 só para não ser levado pelo Esquadrão de Robôs Pôr-do-Sol —, óculos fundo de garrafa, pele enrugada e má postura, dirige a empresa de entregas Planet Express, criada por ele mesmo para custear suas pesquisas depois de meio século trabalhando na Fábrica de Robôs Amigos da Mamãe — onde teve um romance tórrido com a dona, Mamãe, em 1931.

HERMES
Hermes Conrad é um burocrata jamaicano nível 37 autêntico com um talento para arquivar documentos. Ele é também um exímio dançarino olímpico de limbo, que só parou de competir depois de um incidente nos jogos olímpicos de 2980.

Gerenciando o negócio de entregas da Planet Express, suas responsabilidades incluem o pagamento de contas e outras tarefas como os contratos de não-indenização por mortes no espaço sideral. Em contraste à maioria dos estereótipos, é um workaholic que faz tudo seguindo as normas e vive entrando em conflito com a equipe por não trabalhar o suficiente. Seu filho com LaBarbara, Dwight, comandou com Cubert durante uma semana um negócio de entregas de jornal milionário, chegando a comprar a Planet Express e a mudar o nome dela para Expresso Horripilante Nos primeiros esboços, se chamava Dexter e nem da Jamaica era para ser.

ZOIDBERG
Dr. John D. Zoidberg é um médico com fisionomia de lagosta especialista em humanos que oferece, sem competência suficiente, seus cuidados a toda a equipe da Planet Express, com um repertório de pérolas que vão desde o primeiro exame de Fry — "Jovem senhora, sou expert em fisiologia humana, então escolha uma boca e a abra" — até "Estamos no coração, onde a comida é digerida". Detestado por Hermes, que vê nele o cúmulo da desordem e da euforia, vive abaixo da linha da pobreza, revirando latas de lixo e caçando pequenos animais para sobreviver. Uma combinação de várias criaturas do mar, produz tinta como uma lula ou polvo, cria jóias como as ostras e possui garras semelhantes às dos caranguejos. Também é o mais excluído do grupo.

Tem uma tara por anchovas, herança ancestral do seu povo, que as extinguiu em 2,2 bilhões a. c. Criou um incidente diplomático que quase lhe tirou a vida quando comeu a bandeira da Terra na celebração anual do Dia da Liberdade.
O Povo de Zoidberg (Os Decapodianos ) Tem que escolher entre Acasalar e morrer ou viver sem deixar filhos uma vez que na época de acasalamento logo depois do ato eles morrem virando uma especie de espuma como é Mostrado no Episódio 05 Da Segunda temporada. Mas existe uma contradição já que no Episódio 05 da Quarta Temporada Aparecem Os Pais de Zoidberg em um Flashback enquanto conversa com Fry.

Amy
Amy Wong é a estagiária da Universidade de Marte da Planet Express — possivelmente mantida no emprego porque possui o mesmo tipo de sangue que o Professor. Humana nascida em Marte é uma garota desastrada que usa o visual para atrair todo o tipo de homem além de ser herdeira de metade do planeta onde nasceu. Seus pais, que frequentemente a incomodam pedindo netos, pertencem à linhagem dos Wong — proprietários de todo o Hemisfério Oeste marciano desde a troca dele por um diamante gigantesco por volta de 2600 a. c. No programa, Amy é lembrada por ser um tanto superficial e pelo seu uso exagerado de gírias do século XXI. Ela também tende a se vestir de modo provocante, tornando-se a pessoa menos vestida na tela, e a falar palavrões em cantonês quando irritada. Namora Kiff Kroker, o alienígena assistente do general da D.O.O.P. Zapp Brannigan.

ZAPP BRANNIGAN
Zapp Brannigan é o general 25 estrelas mais confiante, condecorado e — segundo ele mesmo — mais elegante, sensual e galanteador da D.O.O.P. ("Democratic Order Of Planets"). Um completo idiota promíscuo e machão, obriga a sua tripulação a usar algo parecido com uma minissaia de veludo. Grande parte de seu sucesso se deve a coincidências, impressões erradas dos outros ou a seu ajudante Kif. Este personagem é uma sátira ao capitão Kirk, de Star Trek.

Kiff
Kiff L. Kroker é o imediato mais próximo de Zapp Brannigan — por mais que deseje imensamente se livrar dele. Originário de Anfíbios 9, tem o perfil alien típico — pele verde e lisa, dedos compridos com ventosas, cabeça alongada, olhos brilhantes e fendas no lugar de narinas —, podendo se agarrar a paredes e se camuflar dependendo do seu humor. Engravidou sem querer da Leela quando ela o tocou no período de cio.
É um dos poucos a dominar o vôo de Buggalo — uma espécie de besouro leiteiro gigante que substituiu o gado bovino —, também possuindo habilidades invejáveis em maquiagem e barbearia. Namora a estágiária da Planet Express Amy Wong, que conheceu no naufrágio da nave espacial Titanic.

FLEXO
Flexo é uma unidade de entortar idêntica a Bender, é mau. "Rouba" um raro átomo de jumbônio em um concurso de beleza,Foge em plena viagem,até lá só piora sua situação, mas no final descobre que não foi ele que roubou o jumbônio e sim Bender.

O Ano 3000

As viagens espaciais são coisas corriqueiras graças a inventos e estruturas únicas, como a Viga em L, o Dispositivo de Passagem do Tempo e o Motor de Dupla Combustão movido a substância negra. O Universo todo foi mapeado — tendo início no planeta Eterno e acabando em Dogdon 7. Pode-se ir de carro a Mercúrio em uma questão de horas, mas o próximo posto para abastecer só em muitos milhões de quilômetros.
Na Lua encontramos o parque de diversões Luna, o lugar mais feliz da órbita da Terra.
Em Marte, o mais poderoso dos planetas, também conhecido como Sol 4, encontramos a Universidade de Marte que — mantida pela família Wong há gerações — reúne o maior acervo bibliográfico do cosmo, dividido em dois disquetes — um de Ficção e outro de Não-Ficção.
A roda foi abolida e todos os veículos, dos cargueiros aos carros de passeio, são flutuantes, podendo alçar vôo para o espaço sideral na hora que quiserem; o transporte público tradicional foi substituído por uma rede de tubos pressurizados que atravessam a cidade em questão de minutos.
Os robôs, embora ocupem cargos menores e menos desejados, estão em todo lugar e assumem várias formas, de caixas registradoras até humanóides, como é o caso de Bender. Diferente da maioria dos contos de ficção científica tradicionais, eles têm vontade própria e reproduzem atitudes tipicamente humanas como angústia, alegria, tristeza e libido. Com processadores bioquímicos, conseguem absorver a energia de qualquer coisa que comam, por mais que não sintam gosto de nada. Para se manterem sóbrios, precisam de uma dose cavalar de álcool ou de óleo mineral. Como se reproduzem, ainda sendo montados em linhas de produção, é um mistério.
Com os avanços na área médica, foram tanto ressuscitadas quanto preservadas para sempre as maiores mentes e personalidades da história da humanidade, de George Washington e Shakespeare a Hank Aaron e Lucy Liu.
A Terra, sede da Ordem Democrática dos Planetas (D.O.O.P.) — mistura da ONU com a Federação de Jornada nas Estrelas — a partir do fim da Segunda Guerra Mundial em 1945, tem no governo um regime democrático inspirado no dos Estados Unidos da América, no qual a cada 4 anos é escolhido um novo líder em eleições diretas e voluntárias. A própria bandeira terráquea nada mais é do que uma cópia fiel da americana, só que com o globo no lugar das estrelas. O atual presidente é a cabeça de Richard Nixon.
Nova York foi destruída duas vezes. Na segunda reconstrução, o prefeito ordenou que se erguesse uma nova cidade sobre a antiga, dando origem à Nova New York. Anos de despejo do material tóxico intratável, radiação e as boas e velhas fezes humanas deram aos esgotos dela as condições para a geração de uma raça de mutantes organizados que adoram uma bomba nuclear que não explodiu e criam crocodilos dentro de casa. Los Angeles virou um celeiro dos astros do cinema e da TV, estúdios e restaurantes cercado por deserto sujo e estéril enquanto Atlanta assumiu um caráter mítico uma cidade que afundou há séculos atrás.
O Natal — Nétal depois da morte do francês — se transformou na noite de fuga contra o terrível Papai Noel, robô inocentemente criado em 1984 pela Momcorp para julgar as pessoas e distribuir presentes de acordo que, devido a um erro no programa central, condena invariavelmente todas na categoria de travessas e as pune com bombas de bolas de vidro, armas lançadoras de brinquedos, mísseis teleguiados e esquartejamento.
As religiões do século XX — cristã, judaica, muçulmana, hindu e taoísta — se uniram para formar uma só instituição, a Primeira Igreja de Amálgama, e compartilhar espaço com os budistas e praticantes de Vodu, enquanto algumas celebridades, leia-se Oprah Winfrey, acabaram virando profetas e fundadoras de outras. A robotologia — cada vez mais crescente no território terrestre — prega a fuga das tentações descritas no Livro Sagrado 3.0 para que os seus fiéis não caiam nas instalações do Inferno Robótico, comandado pelo Demônio Robô em Nova Jersey. Existem também os Monges de Shubah, que procuram, há mais de 700 anos, Deus no Universo.
As cabines de suicídio — que desde 2008 a 25 centavos garantem de uma morte rápida e sem dor a uma lenta e dolorosa — podem ser encontradas em esquinas, shoppings e até parques temáticos.
A criminalidade e a desigualdade social continuam as mesmas. A única diferença é o fato de certas drogas terem sido legalizadas e colocadas à venda em máquinas de doce automáticas. Profissões como a prostituição foram regulamentadas como qualquer outra, sendo realizadas, em sua grande maioria, por mulheres robô construídas para isso.

Glossário dos Planetas e Afins
Amazônia — Próximo ao restaurante Le Palm D'Orbit
Amphibian 9 — Terra natal do tenente Kif Kroker
Cine 14 — O planeta dos cinemas
Crateras Bordôs — Um campo exclusivo de destroços planetários
Decapod 10 — Local de origem do Dr. Zoidberg
Dogdon 7 — Onde acaba o Universo
Esfera 1 — Desolado e feio, sem nenhum recurso natural ou estratégias de valor, foi tomado pela Terra no Conflito da Bola de 3001
Eterno — Centro exato e local de origem do Universo
Marte — O mais poderoso dos planetas
Netuno — Em cujo Pólo Norte mora o sanguinário Papai Noel
Neutro — Viva livre (ou não)
Ômega 3 — Reduto dos episódios banidos de Jornada nas Estrelas
Omicron Persei 8 — A 1000 anos-luz da Terra, recebe o sinal de TV do anos 50 no XXI (o imperador é um grande fã de Friends)
Omicron Persei 18 — Planeta creche a bilhões de quilômetros da civilização no setor de Omicron Persei 8
Planeta dos Canibais — A comida é boa, mas o atendimento é de matar
Planeta dos Cérebros de Lesma — O melhor aeroporto turístico da região
Plutão — Antiga reserva ambiental dos pingüins até o desastre de 3002
Stamos 4 — Com gravidade tão alta que é capaz de esmagar todos com o peso de seus próprios cabelos
Terra — Lar da pizza brotinho

Alguns desses desenhos podem ser vistos em:

http://www.comedycentral.com/shows/futurama/index.jhtml

segunda-feira, 7 de dezembro de 2009

ANIMANIA - IRMÃO É PARA SEMPRE
















Zeca quer sempre trabalhar e o enrolado Seth coloca até seu irmão
trabalhador na jogada; afinal: animação é coisa de irmão. Como no filme "Primogênito Complexo", de Thomas Créus e Lavínia Chianelo onde a eterna luta do novo e do velho acontece entre irmãos.

Os irmãos gêmeos e animadores Rodrigo e Ricardo Piologo fazem uma visita, falam do trabalho em dupla e mostram alguns de seus filmes, como: Avaianas de Pau, Biribinha Atômica e Companheiro Pop Up. Enquanto seu irmão faz as tarefas do Estúdio, Seth descansa...mas na hora de dividir o lanche...será que os irmãos se entedenderão?

O programa vai ao ar no dia 07 de dezembro as 19h pela TV Brasil

quarta-feira, 2 de dezembro de 2009

quinta-feira, 26 de novembro de 2009











Programação Betim – Entrada Franca!

30 de novembro - Segunda-feira - Abertura da Mostra
Cine Teatro Glória - Colônia Santa Izabel – Citrolândia

10h Mostra infantil
11h Mostra juvenil
12 h Mostra infantil
13h Mostra juvenil
14h Nacional 1
15h Nacional 2
16h Nacional 3
17h Nacional 4
19h Internacional 2
20h Internacional 3
21h Longa: Anjos e Idiotas

1 de dezembro - Terça-feira
Asmube - Rua Vicência Maria de Jesus, 381
Jardim da Cidade

18 h Mostra Internacional 6
19 h Mostra Internacional 7
20 h Mostra Internacional 8
21 h Mostra Internacional 9
02 de dezembro

PUC Betim - Auditório da PUC
Rua do Rosário – 1081 – Angola

18:30 h Mostra Internacional 1
20 h Mostra internacional 2
21 h Mostra Internacional 3

Companhia Alma Dell’art
Rua Santos Dumont, 103 – Angola
9 h Mostra infantil
10 h Mostra juvenil
11 h Mostra infantil
12h Mostra juvenil
14h Nacional 1
15:30h Nacional 2
16h Nacional 3

Centro Popular de Cultura Frei Chico
Rua José Teixeira de Oliveira, 177- Bairro PTB
10h Mostra infantil
11h Mostra juvenil
12 h Mostra infantil
13h Mostra juvenil
14h Nacional 1
15h Nacional 2
16h Nacional 3
17h Nacional 4

02 de dezembro
Centro Popular de Cultura Eva Maria - Perla
Rua Visconde Itaboraí, 102 – Bairro Jardim Perla

18 h Mostra Nacional 1
19:30 h Mostra Nacional 4
21 h Mostra Nacional 5

03 de dezembro
PUC Betim - Auditório da PUC
Rua do Rosário – 1081 – Angola

18:30 h Mostra Internacional 4
20 h Mostra internacional 5
21 h Mostra Internacional 6

03 de dezembro
Arca – Associação de Reintegração da Criança e do Adolescente
Rua Edméia Mattos Lazarotti, 680 – Centro

8:30 h infantil
9:30 h juvenil
10:30 h infantil
13:30 h juvenil
14:30 h infantil
16:30 h juvenil

Centro Popular de Cultura Joaquim Nicolau - Marimbá
Rua Monte Azul, 14 - Bairro Marimbá / Vianópolis
18 h Mostra internacional 5
19:30 h Mostra internacional 6
20:30 Mostra internacional 7

04 de dezembro – Sexta-feira
Pró Viver
Avenida Padre Airton Freire de Lima, 81 - Guanabara
14h Mostra infantil

15h Mostra Juvenil
16h Mostra infantil
17h Mostra Juvenil
19h Internacional 2
20h Internacional 3
21h Internacional 4

04 de dezembro
Studio Cerri - Rua Carmelita, 78 – Filadélfia

09h Animações Finlandesas
10:30 h Internacional 1

Centro Popular de Cultura Frei Enstanislau
Rua Cabuci, 130 - Jardim Teresópolis

09h Mostra infantil
10h Mostra juvenil
11h Mostra infantil
12h Mostra juvenil
14h Mostra infantil
15h Mostra juvenil
16h Mostra infantil
17h Mostra juvenil

05 de dezembro – Sábado
Pró Viver
Avenida Padre Airton Freire de Lima, 81 – Guanabara

14h Mostra infantil
15h Mostra Juvenil
16h Mostra infantil
17h Mostra Juvenil
19h Internacional 5
20h Internacional 6
21h Internacional 7

IT - Filmes, Comunicação e Entretenimento
Rua Rio Paraopeba, 95 – Jardim Santa Cruz

19h Animações Finlandesas
20:30h Internacional 1
21h Internacional 2
22h Telmo Carvalho e Urubutrix

06 de dezembro – Domingo
Pró Viver
Avenida Padre Airton Freire de Lima, 81 – Guanabara

14h Mostra infantil
15h Mostra Juvenil
16h Mostra infantil
17h Mostra Juvenil
19h Animações Finlandesas
20:30 h Abi Feijó e Regina Pessoa (Portugal)
21:30h Arnaldo Galvão e Ian Macknnon (Inglaterra)

. Escola da Gente – 10 Escolas Municipais recebem a programação infanto-juvenil.
. 76 instituicoes de educação infantil recebem a Mostra Infantil - Parceria Apromiv - Associação de Proteção a Maternidade, Infância e Velhice

domingo, 22 de novembro de 2009

MUMIA em Betim - MG





Cinema para todos!

Na construção da cidadania é necessário pensar a arte como viés, e o cinema por agregar todas as áreas artísticas é sem dúvida uma ferramenta importante nesta caminhada. Assim, pela primeira vez, orgulhosamente, apresentamos em Betim a Mostra Múmia Udigrudi Mundial de Animação, que há sete anos acontece em Belo Horizonte e em 2009 agrega culturas de 28 países com a apresentação de 220 filmes.

Em Betim, a programação é inteiramente gratuita e pode ser vista por pessoas de diferentes idades em vários pontos de exibição. Além disso, a grade com os filmes com uma mostra infanto-juvenil é expandida junto ao programa “Escola da Gente” e em 70 instituições de educação infantil em parceria com a Apromiv – Associação de Proteção a maternidade, Infância e Velhice.

Então, agora, é hora de sair da rotina, experimentar as coisas e as sensações do mundo por meio do cinema. Aqui, a arte propõe se travestir para encontrar as pessoas em seus mundos. Vamos dar gargalhadas, espalhar cores, sonhos, espantos, aromas. Esperamos que com a sensibilidade potencializada as vidas se transformem em fontes de beleza. A beleza nos faz entender com amor e sabedoria a nossa condição, humana.

Viva o Cinema de Animação! Breve toda a programação.

quarta-feira, 18 de novembro de 2009

MUMIA em Betim

MUMIA chega com fôlego total em Betim na sua 7º edição

Já consagrado no meio como um dos principais eventos de animação do país, o MUMIA – Mostra Udigrudi Mundial de Animação – chega ao seu sétimo ano em Belo Horizonte e pela primeira vez em Betim com exibições entre os dias 30 de novembro a 06 de dezembro, com uma ampla programação que inclui filmes nacionais e internacionais, além de mostras especiais. A entrada é gratuita em todos os pontos de exibição.

Em Betim, a Mostra é itinerante e a abertura acontece no dia 30, às 10h no Cine Teatro Glória, em Citrolândia e prossegue o dia inteiro até às 21h, com a exibição de “Idiots and Angels”, do premiado diretor norte-amerticano Bill Plympton. O MUMIA é uma realização da produtora Leite Filmes e IT Filmes, Comunicação e Entretenimento, com a parceria da Prefeitura Municipal de Betim, Fundação Artístico-Cultural de Betim - FUNARBE, Studio Cerri, projeto Escola da Gente, Arca – Associação de Reintegração da Criança e do Adolescente, projeto Pró Viver, Companhia D’llat, Asmube, Apromiv – Associação de Proteção a Maternidade, Infância e Velhice, DCE da PUC, Movimento RG Cultural e Pimenta Filmes.

Com o lema: “Um Ano Mágico em Animações”, o 7º MUMIA apresenta em Betim 220 filmes do Brasil e de vinte e seis países: Reino Unido, Austrália, Alemanha, USA, China, Argentina, Letônia, Holanda, Suécia, Rússia, Finlândia, México, África do Sul, Irlanda, Portugal, França, Polônia, Chile, Itália, Eslováquia, Espanha, Japão, Bélgica, Nova Zelândia, Canadá e Bolívia. Muitos deles são vencedores de prêmios importantes e representam diversos estilos de animação.

O público pode conferir também as mostras especiais, que nessa edição trazem do da Finlândia as animações exibidas no Festival Internacional de Curtas de Tampere, da Inglaterra o trabalho de Ian Mackinnon, de Portugal Abi Feijó e Regina Pessoa, e do Brasil, Arnaldo Galvão.

Segundo o Cineasta Sávio Leite, organizador da mostra, a expectativa para a 7ª edição do MUMIA é a melhor possível. “Vamos transformar Betim numa cidade do reino ilimitado da Animação”, afirmou. Ele explica que o MUMIA incentiva a produção cinematográfica e videográfica de animação brasileira, dando acesso ao público a uma parcela da produção nacional e internacional, que, por não pertencer a grandes produtoras, acaba ficando à margem do circuito comercial. A proposital falta de um rigoroso critério de seleção no MUMIA, uma das marcas da mostra, fomenta, também, projetos experimentais, insurgentes, críticos e diferentes.

Para a diretora da IT Filmes, Comunicação e Entretenimento, Elizabete Martins Campos é um orgulho apresentar pela primeira vez em Betim a Mostra Múmia Udigrudi Mundial de Animação, que há sete anos acontece em Belo Horizonte e que já se consolidou como uma iniciativa importante no cenário da arte brasileira e internacional pela qualidade estética e linguística do evento.

“A mostra em Betim tem a programação inteiramente gratuita e pode ser vista por pessoas de diferentes idades em vários locais de exibição, além das escolas e creches que recebem a Mostra Infanto-Juvenil em DVD.. Então, agora, é hora de sair da rotina, experimentar as coisas e as sensações do mundo por meio do cinema. A arte, a beleza nos faz entender com amor e sabedoria a nossa condição, humana”, comenta Elizabete.

2009, O ANO DA CULTURA EM BETIM

Segundo o Presidente da Funarbe - Fundação Artístico-Cultural de Betim, Aderbal Gomes, este foi o ano da cultura na cidade. “Desde que a nova equipe da Funarbe assumiu a gestão da cultura, em janeiro, o setor ganhou novo impulso. A mudança começou com a abertura para a participação efetiva da classe artística em todos os momentos e decisões importantes da área, além da promoção de eventos jamais vistos no município”, declara.

Aderbal avalia que o primeiro evento que marcou a nova era da cultura em Betim foi a realização do Concerto Contra o Preconceito, na Colônia Santa Isabel, que tem o papel importante de combater o preconceito ao hanseniano. “Em maio, outro importante evento foi o Aniversário da Casa da Cultura Josephina Bento, que completou 21 anos em 2009. É o casarão mais antigo de Betim, portanto, comemorar esse aniversário é valorizar a memória da cidade. Ao todo, foram mais 20 de eventos realizados ou apoiados pela Prefeitura Municipal e Funarbe em 2009”, pontua o presidente da Funarbe.

Outra Avaliação de Aderbal é que um dos principais desafios da nova equipe da Funarbe foi colocar em funcionamento as oficinas culturais. Hoje são oito Centros Populares de Cultura, os CPCs, que atendem em média seis mil pessoas que buscam desenvolver seus dons artísticos.

“O trato com patrimônio cultural de Betim recebeu atenção especial. São 10 bens protegidos pelo município, por meio do instituto do tombamento. Projetos de educação patrimonial foram executados com atendimento a quase três mil alunos das redes de ensino municipal e estadual. O inventário participativo dos bens culturais de Vianópolis também foi realizado em 2009 e com um destaque especial para os bens imateriais (congado, modas de viola, etc.)”, enfatiza Aderbal.

Segundo ele, para fechar o Ano da Cultura em Betim, a Prefeitura Municipal e Funarbe apóiam a vinda do MUMIA – Mostra Udigrudi Mundial de Animação que reúne mais de 220 filmes de desenhos de animação de arte. “Betim receber uma mostra como a Mostra Udigrudi Mundial de Animação é a garantia da presença da cidade no circuito internacional de cinema. “Apoiamos o desenvolvimento da cultura em seus vários segmentos. Chegou a vez da animação”, declara Aderbal.

SERVIÇO: MUMIA - Mostra Udigrudi Mundial de Animação em Betim
Local: Cine Teatro Glória, Studio Cerri, Companhia Alma Dell’art, PUC Betim, PTB – CPC Frei Chico, Perla, Marimba, Pro Viver, Frei Enstanislau – Teresópolis e Imbiruçu, IT Filmes, Comunicação e Entretenimento, Asmube, Escola da Gente e Creches da Rede de Educação Infantil.
Data: 30 de novembro a 06 de dezembro – programação detalhada anexo.
Entrada franca!
Balcão de Informações: 31 – 9675-2685 – 31 30537263 e 31 86076513 leitefilmes@gmail.com
Toda programação em WWW.mostramumia.blogspot.com

domingo, 15 de novembro de 2009

7 MUMIA - CRÍTICAS 3











7º MUMIA – Internacional 2

Por Leonardo Amaral

Archipel, diálogo de uma cidade - Jasper Kuipers - 6'- Holanda

A câmera percorre solitária uma cidade em preto e branco opressor, cercado por uma cidade denotada por suas formas. No limite extremo dessa cidade geométrica, duas figuras humanas em gesso: um avô e um neto. Eles estão na divisa entre o que ainda sobra e o que são apenas corpos amontoados.

Van Jasper Kuipers trabalha uma situação de holocausto nesse curta-metragem holandês estruturado no diálogo de um jovem com fome que precisa se alimentar do próprio avô nesse fim dos tempos ali alarmado. É nessa transposição apocalíptica que trabalha Kuipers, o final, com o avô sendo devorado pelo neto (a fome e as necessidades humanas se sobrepõem a qualquer relação que exista), é de uma crueza que se torna ainda mais carrega pela trilha sonora pesada. O diálogo dessa cidade é esse seu limite entre a existência e não-existência, dos prédios que são somente formas e dos corpos que se acumulam no mar no qual estão sentados os dois personagens.

Planet A - Monoko Seto - 7'40"- França - 2008

Animação japonesa realizada com imagens sintetizadas em que vemos uma espécie de origem da vida, em que as moléculas, em aproximação que simula um microscópio (investimento em um plano detalhe), são originadas. Em um primeiro momento, não sabemos ao certo do que se trata aquilo que insiste em brotar e desenvolver em nossa perspectiva. A diretora Monoko Seto investe nesse movimento, explorar o micro para se chegar ao macro. Eis que nos é oferecido o todo, em tela, a água que percorre entre as formações rochosas de um planeta em formação. O filme é todo esse processo, inclusive uma espécie de documentação de sua criação com imagens geradas por meio de um computador.

Veterinário - Signe Bauname - 17'- Letonia - 2007

A liberdade espaço-temporal propiciada dentro do universo da animação dá vazão para a exploração ainda maior do sonho, de aspectos do surrealismo. Veterinário tem um inicio aparentemente clichê, em que um médico de animais dorme enquanto sonha estar a equilibrar-se em um coração que está prestes a se separar ao meio e o fazer cair. A partir desse instante, o que se vê é uma sucessão de situações estranhas que culminarão com o salvamento de vários animas.

Dentro desse universo, um cão campeão em produção de esperma, um porco assassinado por outros, cujas partes serão cortadas e jogadas dentro de um caldeirão com caldo fervente. Esse mesmo porco fará com que uma vaca tenha problemas de inflamação nas tetas e cujo pus advindo dessas será dado para comer a crianças que vomitarão em um galinheiro e farão com que uma galinha, após se alimentar dos dejetos, acabe por explodir entalada por um ovo na cloaca. A diretora da animação, Signe Baumanne, trabalha sempre nessa ordem absurda dos fatos, dentro de ótica fantástica que só ganha possibilidade graças à maneira minimalista como é criada. O estranhamento advém da forma, que, de alguma maneira, interfere diretamente no âmbito narrativo e temático.

Água Viva - Maris Brinkmanis - 10'- Letonia - 2009

Em certos momentos, Veltits parece ser um jogo de videogame, a partir do momento em que os dois pequenos cães passam a fugir de um tiranossauro criado a partir de uma água que dá vida a tudo o que tem contato no deserto que serve de cenário. Aliás, em 2-D é esse cenário, e o movimento dos personagens sempre privilegia a ação desses personagens, que, por meio de sons que lembra o de alguns árcades, nos dá a impressão de que, em certos momentos, interagimos com o curta-metragem. A animação, bastante simples, busca humor nessas situações da fuga, e joga diretamente com seus sons e seus efeitos de comicidade.

Heróis não mais - Sun Xun - 9'- China - 2008

“Se a história está prestes a mudar, devemos permitir que ela mude”, essa é uma frase de Stalin que vem ao fim desse curta-metragem chinês que fala, por meio de uma metonímia do lançamento de naves espaciais pela URSS, do período comunista na China, através de um jornal que nos apresenta os fatos como notícias diárias. “Possivelmente, no futuro, o planeta artificial soviético passará sobre a Terra de novo”. É com essa frase que o diretor SunXun termina sua animação, juntamente com a apresentação dos créditos finais em cédulas de dinheiro da China, numa revisão crítica sobre um período histórico de seu país.

SunXun constrói imagens desoladoras de sua nação, descrevendo, quase sempre em lettering na cartela, os períodos os quais referencia. Quase sempre essas frases por ele colocadas, que trazem consigo significações de medo, ausência de liberdade, em uma espécie de dialética com a imagem em cena, seja dos barcos presentes nas notas de dinheiro ou caminhões fornecedores de alimentos. Os desenhos, quase sempre explorados em sua forma, são expostos como constelações que estão sobre esse império chinês.

A periferia

A animação de Fabrizzio Bartolini é uma espécie de releitura de Os vizinhos, de Norman McLaren. Realizada no Chile, vemos de um lado uma família, que, em todos os momentos, faz barulho ao ponto de incomodar o vizinho solitário residente logo ao lado.

Mais do que exploração da forma, como o é na animação de McLaren, Bartolini procura trabalhar o som, principalmente após a batalha musical entre a vizinhança. Com intuito de tentar o insuportável sonoro, Bartolini busca no gore, em que cabeças são arrebentadas pelo mega-amplificador do vizinho solitário, a morte de seus personagens.

Leonardo Amaral
Crítico e redator da revista eletrônica Filmes Polvo. Diretor e fotógrafo de curta-metragens e membro-fundador da Produtora de cinema Sorvete Filmes.

sábado, 14 de novembro de 2009

7 MUMIA - CRÍTICAS 2


















7º MUMIA – Internacional 3

Por João Toledo

Sendero - Caminho - André Bustamante, Théo Court e Manuel Munhoz - 26'- Chile - 2007

Caminho é uma animação rústica, nebulosa, de poucos detalhes; ela nos deixa sempre perdidos, como que vagando por uma memória gasta, por entre formas e cores onde apenas aos poucos vamos descobrindo paredes, ruas e movimentos. Rústica mas também bastante plácida e harmoniosa, erguida sob o ritmo de uma respiração morosa e grave – em momentos, parece remeter ao cinema de Antonioni, aos personagens perdidos no espaço, vagando solitários, redescobrindo o mundo através do olhar e de um silencio pesaroso. A impressão é de uma animação feita de areia, vagarosamente levada pelo vento, areia que cobre as lembranças de um passado que o personagem parece querer revelar, redescobrir. O passado da foto que ele tem em mãos; uma imagem apenas, uma lembrança perdida.

No universo intangível e intrinsecamente intimista do personagem que acompanhamos, paira um clima constante de mistério; nada se torna claro, nada nos é revelado, tudo reside sob camadas e mais camadas de tempo, grão, esmaecimento. O reencontro do personagem com seu passado é um encontro com a desolação e o desgaste do tempo, um encontro com a finitude das coisas, e com a própria solidão. Os olhares da foto já se perderam para sempre, o passado é ruína, a árvore já não tem mais vida. Resta-lhe o chão, a terra, e areia. E o esquecimento.

Jauna Suga - A Nova Espécie - Evalds Lacis - 10'- Letonia - 2008

Extremamente bem finalizado e cheio de efeitos que simulam complexos movimentos de câmera, A Nova Espécie é uma animação em stop-motion bastante atraente, singela e um tanto pueril, sobre pequenos e vaidosos insetos. Bem articulado visualmente, e criativo na construção do universo dos insetos, o filme tem bastante carisma e um grande controle do ritmo e da narrativa, ainda que sacrifique um tanto de sua criatividade, de sua força livre de imagem e cor, em função de um discurso moral sobre a vaidade excessiva da pequena formiga, que por sua maquiagem, roupas e peruca, chama a atenção de um colecionador de insetos. Ainda assim, tem lá diversos méritos enquanto construção visual.

The New China - A Nova China - Sun Xun - 5'19"- China - 2008

Bastante politicamente engajada, a animação de Sun Xun é plena de imagens escuras que evocam um clima tenebroso de dominação cultural imperialista, cheia de símbolos que se traduzem como metáforas dessa nova China, esse país que enfim cede ao poderoso jugo do capitalismo. Misturando símbolos eminentemente americanos com uma vespa sedenta (possivelmente sedenta por poder), Sun Xun constrói um discurso que claramente lamenta o que ele parece enxergar como uma dominação tirânica, chegando a evocar símbolos que remetem ao nazismo. A animação, que parece ser um stop-motion de pinturas feitas em uma enorme parede branca, incorpora o rastro de sujeira trazido de cada pintura anterior, deixando a imagem toda marcada de sombras obscuras. Aos poucos, mapas da china são distorcidos e dragões que representam sua cultura milenar são executados. Restam os símbolos americanos que invadem aos poucos esse ambiente de terror criado pelo filme. Ainda que bastante direto, manifesto, escancarado em seu discurso, o filme de Sun Xun conserva ainda uma força intensa que emana de sua imagem expressionista.

Ceci N’Est Pas Une Mouche - Isto Não É Uma Mosca - Carlos Fraiha - 2'- Inglaterra - 2008

Isto Não É Uma Mosca é uma animação bem curta, bem simples, que, como todo filme 3D, trabalha sobre a idéia da contenção de planos, em função de sua dificuldade de realização, o que leva a uma maior precisão da construção narrativa, que faz restar apenas o essencial. O curta claramente deixa que sua idéia subjugue a imagem; existe uma construção visual ali mas ela é toda em função da piada que se cria a partir da célebre pintura de Magritte, Isto Não É Um Cachimbo. A piada é, no fundo, mais importante que a animação; não existe ali nenhuma grande potência estética. Também não existe nenhum grande problema, nada de errado, nada fora do lugar, nada vulgar ou mal construído. Talvez seja este seu principal problema; não há nada demais.


Pirogues - Piroga - Alice Bohl - 7'- Irlanda - 2008

Feita de traços muito simples, a animação de Alice Bohl parece erguida de linhas tão soltas que mesmo paradas parecem estar em movimento. Essa impressão de um constante fluxo nos deixa perdidos entre as imagens, que se desmancham e se transformam como se fossem feitas de vento, como se fossem pensamentos ou coisa parecida. Estamos na França, em uma Paris habitada por imigrantes africanos que buscam melhorar de vida. Ao mesmo tempo, ao telefone, do outro lado da linha, está a família que aquele personagem deixou pra trás. O filme retrata esse peso e essa angústia da separação sem melodrama, com uma singeleza bastante bonita, que não diminui nem explora a dor daqueles homens, daqueles seres de traço indistinto, perdidos numa cultura que os repele, os segrega, os exclui. Eminentemente político, no sentido mais humanista do termo, Piroga consegue discutir esse contexto da França atual e seus constantes conflitos sociais com imigrantes sem se perder em discursos. Ele não fecha a realidade em uma visão predeterminada; abre o mundo através do cuidado do olhar, da generosidade de quem observa sem se impor. Está tudo lá, a perda de identidade, a opressão do capital, a dor da separação, a vida que segue.

Studnia - O Poço - Andrzej Gosieniecki - 9'- Polonia - 2008

Até a água em O Poço tem a cor do deserto. Tudo ali é árido. Não existe outra cor senão essa, de tom amarelado, sépia, cor do calor. Parece um ambiente inóspito para a criação. No entanto, de um vigor criativo impressionante em termos de construção de enquadramentos, o curta polonês se constrói inteiro apoiado na potência da imagem, sem nunca se escorar na palavra como muleta narrativa. O filme caminha no ritmo da música que o acompanha, e a vida em cena é uma espécie de transe estético; tudo é dança, absoluta precisão. À medida que o filme avança, avançam também as tentativas para conseguir-se água, seja rezando para um ídolo, seja buscando no arremesso de um balde em direção às nuvens.

Mas no momento em que esses homens do deserto empregam toda sua criatividade na ávida busca por água, essência da vida, cria-se ali um paralelo entre esse processo de busca essencial dos personagens e o próprio processo de criação artística do próprio filme – uma espécie de metáfora da criação enquanto possibilidade plena independentemente das condições adversas. Não há, afinal, limites para a invenção e para o que se pode alcançar nesse processo; pode ser o próprio céu, as nuvens, pode ser a vida. O poço está, afinal, onde estiver nossa água.



João Toledo
Crítico, realizador e cinéfilo, eterno estudante de cinema, João Toledo é fundador da produtora Sorvete Filmes, juntamente com Leonardo Amaral e Gabriel Martins; redator da revista eletrônica Filmes Polvo, sob a coluna Corte Seco, desde 2007; diretor, roteirista, montador e assistente de diversos curtas-metragens independentes; formado em publicidade pela Universidade FUMEC em 2005 e pós-graduado em cinema pela PUC Minas em 2006.
Filmografia:
Sobre o Suflê - roteiro e direção - 2006
Filme Fulleiro - co-direção - 2009
Pára - imagens, direção, montagem - 2009
Caixa Preta - imagens, direção, montagem - 2009
A Janela (ou Vesúvio) - roteiro, direção, montagem - 2009
Lembro-me Ainda de Quando Comíamos Pão de Mel Toda Manhã Mas Hoje Acordei de Ressaca - imagens, direção, montagem - 2009

quinta-feira, 12 de novembro de 2009

Cartunistas propõem criação de Museu Henfil em Ribeirão das Neves

Outra dica do meu amigo Marko Adjaric

A Comissão de Cultura recebeu, em sua reunião nesta quinta-feira (12/11/09), representantes de diversos segmentos das artes visuais mineiras, como cinema de animação e histórias em quadrinhos, em busca de contribuições para a formulação de políticas públicas que melhorem o acesso aos bens culturais disponíveis e ajudem a preservar a cultura mineira. Este foi o objetivo do requerimento apresentado pela deputada Gláucia Brandão (PPS), presidente da comissão.

A parlamentar acatou a sugestão de criação do Museu Henfil em Ribeirão das Neves, cidade que representa. A proposta partiu do cartunista Eduardo dos Reis Evangelista, mais conhecido como Duke, que publica charges há dez anos nos jornais O Tempo e Super. Duke lembrou que o grande humorista Henrique Souza Filho, o Henfil, nasceu naquela cidade. Informou também que o Governo de São Paulo lançou edital para quadrinhos e desenhos, com o objetivo de selecionar obras para a grade do MEC. Para ele, o poder de comunicação dos quadrinhos também deveria gerar incentivos da parte do governo mineiro.

Rafael Guimarães, coordenador político da Associação Brasileira de Cinema de Animação, disse que a ABCA atua junto ao Governo Federal em busca de incentivos e de reconhecimento para o cinema de animação. "Em Minas temos profissionais de alto nível, com trabalhos premiados, e não podemos perdê-los para Rio e São Paulo", alertou. "Até nos Estados Unidos, onde os quadrinhos dão lucros bilionários, há incentivos governamentais para os artistas cujo trabalho não é voltado para o grande público", justificou.

Lunardi Teles, cartunista e caricaturista mais conhecido como Lute, disse que Minas até hoje não conseguiu criar um espaço à altura dos grandes nomes que o Estado revelou, como Ziraldo, Nani e Nilson. Lute organizou a exposição BH Humor, em setembro, com recordes de público na Casa do Baile. Ele propôs trazer essa exposição para a Assembleia de Minas. A deputada Gláucia Brandão sugeriu que a exposição seja itinerante e que possa ser vista em todas as regiões do Estado.

Divulgação é importante, mas não remunera o artista

Outro evento que provou o grande interesse do público pelos quadrinhos foi o Festival Internacional de Quadrinhos, que atraiu 70 mil pessoas ao Palácio das Artes, segundo informou Cristiano Seixas, empresário da Casa dos Quadrinhos e do Estúdio Big Jack. Seixas fez uma rápida exposição sobre a história do desenho, desde as pinturas rupestres nas cavernas até os desenhos infantis nas escolas. Disse ainda que os quadrinhos têm mais de 100 anos de história, e devem sua popularidade aos jornais.

O empresário disse que os produtos de animação vêm logo abaixo do cinema em faturamento no mercado internacional, e custam muito menos. No entanto, o mercado não é sustentável. A divulgação não remunera o artista, que fica dependendo de patrocínio ou mecenato. Outro aspecto abordado por ele foi a dificuldade para se criar uma associação ou sindicato. "O artista geralmente é introspectivo, passa os dias trancado em seu quarto com a prancheta. É praticamente impossível mobilizá-lo para reivindicações coletivas. O governo ajudaria criando um piso salarial para a categoria", sugeriu.

Lacarmélio vive da Revista Celton

O melhor exemplo de individualismo dos quadrinhos em Minas estava presente na reunião: Lacarmélio Alfêo de Araújo, que há 28 anos roteiriza, desenha, edita, imprime e vende nos bares e nas ruas de Belo Horizonte a revista Celton, personagem criado por ele. Os desenhos são ambientados na capital, com temas populares, como o Capeta do Vilarinho e a Loura do Bonfim. Lacarmélio lembra que inicialmente o personagem tinha superpoderes, por causa da influência que recebeu da Marvel e DC Comics na infância.

Em quase três décadas, ele produziu 70 números da revista, e desde 1998 vive exclusivamente desse trabalho. O último número, "O Combate entre a Sogra e o Capeta" já vendeu 40 mil exemplares, para um público formado em sua maioria por motoristas de táxi e ônibus, estudantes e donas-de-casa. Ele conta com a ajuda dos fiscais da BHTrans, que lhe informam onde há engarrafamentos de trânsito para que ele possa abordar os motoristas. "Nem todo mundo elogia. Às vezes algumas senhoras gritam ofensas, e já tive evangélicos esfregando a Bíblia no meu cartaz, sobre a palavra capeta", diverte-se o autor.

Lacarmélio criticou os artistas que vivem de incentivos e prêmios de governos. "A gente tem que ser responsável pelo que faz e batalhar para viver daquilo. Tenho 2º grau incompleto, mas já vendi mais de um milhão de revistas em Belo Horizonte. O objetivo do meu trabalho é despertar bons pensamentos, encantar o leitor e lhe dar uma visão de progresso", concluiu.

Presenças - Deputada Gláucia Brandão (PPS), presidente da comissão.








Responsável pela informação: Assessoria de Comunicação - www.almg.gov.br

Audiência sobre quadrinhos foi remarcada para esta quinta-feira (12)

Dica do meu amigo Marko Ajdaric do Rio Grande do Sul.

Extraído de: Assembléia Legislativa do Estado de Minas Gerais - 06 de Novembro de 2009

Será nesta quinta-feira (12/11/09) a audiência pública da Comissão de Cultura da Assembleia Legislativa de Minas Gerais para debater a importância das histórias em quadrinhos para a cultura do Estado. A reunião, solicitada pela deputada Gláucia Brandão (PPS), presidente da comissão, havia sido agendada, inicialmente, para o último dia 28, mas foi adiada. A nova audiência foi marcada para as 15 horas, no Plenarinho II.

Para a deputada, Minas Gerais tem uma cultura forte no que diz respeito aos quadrinhos animados. Um exemplo disso, segundo ela, foi a edição deste ano do Festival Internacional de Quadrinhos (FIQ). "Temos que potencializar a arte e a cultura de jovens artistas, que desenham, criam e se inspiram para suas obras", afirma a deputada, que pretende na reunião conhecer os principais desafios da atividade e discutir as formas pelas quais a ALMG pode contribuir na difusão dos quadrinhos no Estado.

Convidados - Foram convidados a coordenadora-geral da Associação Brasileira de Cinema de Animação - Regional Minas (ABCA-MG), Cristiane Fariah; o coordenador político da ABCA-MG, Rafael Guimarães; o coordenador do curso de animação da UFMG, Antônio Fialho; o quadrinista profissional e professor da Casa dos Quadrinhos, Eduardo Rocha Pansica; o criador e autor da revista Celton, Lacarmélio Alfêo; o sócio da Casa dos Quadrinhos e Estúdio Big Jack, Cristiano Seixas; o organizador do Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte, Eduardo dos Reis Evangelista; e o presidente do Cartuminas, Lunardi Teles.

quarta-feira, 11 de novembro de 2009

ANIMANIA - ANIMANDO A COR NEGRA

















Em comemoraçao a semana da consciencia negra o Animania preparou um progana especial.

Zeca procura máscaras para uma homenagem à semana da consciência negra e Seth conhece o apresentador do Talk show mais louco do planeta, do filme "Negão Bola Oito", do animador Alan Sieber.

O animador Rasta Cipriano aparece para falar de como a animação pode ensinar a história afro brasileira nas escolas e mostra como fazer um negro com atitude para ser animado e mostra seu filme Ego.

No Quadro Catavento, o animador Meton Joffily fala das aventuras de um
menino de rua em seu filme "Sinal Vermelho". Prá coroar, a estória do
surgimento da cor negra no filme: "A cor Negra", de Silvino Fernandes. Prá
completar essa festa, os dois colocam as máscaras de dois animadíssimos
personagens: O Azeitona, do animador Luís Sá e o impagável
Mussum... “Cacildis”!

o Programa vai ao ar no dia 16/11/09 as 19:00 horas com reprise dia 20/11/09 as
18:30h pela TV Brasil

terça-feira, 10 de novembro de 2009

7 MUMIA - CRÍTICAS








Começamos a parceria com alunos e jovens criticos que participaram da setima ediçao escrevendo pequenas críticas sobre os curtas exibidos. Nessa primeira leva as criticas do jovem realizador de Belo Horizonte, Gabriel Martins que escreveu sobre o primeiro programa de curtas internacionias.

O CONTO DO PEQUENO BONECO Johannes Nyholm (19´ Suécia)

Esta animação, feita completamente com massinha, conta a bizarra história de um Boneco que tem como invasor de sua casa uma espécie de mini ser feito com recortes que fica atrapalhando sua vida – e seu encontro com uma “adorável” garota. Com timing cômico impressionante, utilizando bastante do silêncio e do constrangimento, O conto do pequeno boneco é uma animação que segue bem a idéia underground da mostra. Utilizando da sua própria forma desengonçada de animar, algo inerente ao trabalho com massinha (que lembra o trabalho em Mercúrio, de Sávio Leite), a animação constrói o seu humor, sendo extremamente bem sucedida na relação que propõe com seus personagens.

ESTRUTURAS Jasper Kuipers (4´46” Holanda)

Estruturas propõe um estudo sobre a maneira como os elementos se fundem com a natureza e, a partir daí, se modificam. Interessante tecnicamente, não oferece muito mais do que a simples idéia de um exercício visual de continuidade de formas, mutação e fusão, algo coerente com seu tema. Uma bela animação que, como a natureza, está sempre em transformação.

A CHEGADA DO URSO Janis Cimermanis - 16´- Letônia

Realizado através de stop motion com bonecos aparentemente de pano, A chegada do urso começa com uma entrada bastante atenciosa ao seu personagem mas se perde um pouco no restante da narrativa, tornando-se uma fábula que mesmo bonita e bem resolvida, poderia certamente ter minutos a menos. De toda forma, vale ressaltar o quanto os personagens, todos daquela vila, são bastante carismáticos e bem construídos.

JUBILADOS Juan Sáenz Valiente – 3´- Argentina

A escolha de som é crucial para qualquer animação. Como ela é cem por cento construída, não existindo um som ambiente do momento (até porque este “momento” inexiste), é a atmosfera criada pelo som que cria a ambientação e todo o clima do filme. Em Jubilados uma má escolha de trilha (“Frozen”, de Madonna, que mesmo sendo uma boa música é bastante invasiva) torna-se um problema. Além disso, a animação oferece pouca substância para além da simples experimentação de movimentos e uma sub-narrativa que está longe de ser interessante. Vazio de um lado, excessivo de outro, Jubilados acaba sendo muito pouco bem sucedido.

O FEITIÇO DO CARVÃO Sun Xun – 8´- China

Bastante experimental, no sentido em que navega através de diversas texturas e formas para se construir, O feitiço do carvão tem um clima bastante interessante. Se esta ali um discurso acerca do progresso, talvez até o problematizando, também está uma vontade enorme de testar potencialidade da animação, do simbolismo, da metáfora. Ainda que se perca talvez por demais no seu discurso, “O feitiço do carvão” traz em si um interessante estudo de reconstrução histórica no abstrato.

HOT DOG Bill Plympton – 5´50”

Hot Dog é mais um animação da série de Bill Plympton, animador bastante conhecido mundialmente. Através da história deste simpático cão que quer ser bombeiro, somos sugados para um pequeno universo de total divertimento com as propriedades da animação. Existe o exagero, a elasticidade e a tamanha personalidade do protagonista que nos envolve inteiramente nas suas tentativas. Destaque para a forma como através do desenho quase de rascunhos Plympton consegue, com poucos elementos, dar toda a informação necessária.

1-2-3 Escape Vittorio Farfan – 3´- Chile

Esta animação é, sem dúvida alguma, uma das coisas mais bizarras que já vi. Some desenhos de PAINT a fotografias muito provavelmente retiradas do Google Imagens e pronto, temos esta animação bastante radical sobre, basicamente, ficar bêbado. Sua agressividade do tosco é válida: um sonho embriagado e patético é ilustrado até a sua total decadência. A total falta de compromisso com um padrão de belo e exato acaba refletindo uma expressão aparentemente involuntária de um processo – a própria construção da animação. Que fique, portanto, esse descompromisso e aproximação símbolos de um divertimento. Muitas vezes, somente isto já é o bastante.

GABRIEL MARTINS estidante de cinema e video, integra a equipe da revista de críticas Filmes Polvo (www.filmespolvo.com.br. Dirigiu FILME DE SÁBADO, selecionado em inueros festivais de cinema e diretor da FILMES DE PLASTICO (www.filmesdeplastico.com)

sábado, 7 de novembro de 2009

7 MUMIA - imprensa



Esta materia poder ser vista tambem em: http://www.otempo.com.br/otempo/noticias/?IdNoticia=124945

sexta-feira, 6 de novembro de 2009

ANIMANIA - ANIMAÇÃO SEM TABU



Todos os tabus caíram nesse animania!
Seth começa falando palavrões extensos e Zeca mostra que até os monstros
derrubam as convenções, como no filme "Os Brutos também amam", de Cristiano
Alves. Zeca animado, mostra a forma certa de romper os tabus
sexuais...fazendo a coisa certa como no filme "Do The Thing" (Faça Aquilo),
de Thomas Knoll. No quadro Córtex, a busca da perfeição leva às maiores
catástrofes no filme "Perfeito", de Maurício Bartok.
A produtora Prisccila Secco aparece prá falar do Festival Internacional Sem
Tabu, que acontece anualmente no Rio de Janeiro, reunindo animações do mundo
todo despidas de preconceitos e mostra um destaque do festival, o filme "Love
Recipe" (Receita de Amor), de Felipe Pizzaro.
No catavento Os irmãos animadores Ricardo e Rodrigo Piologo, falam da mostra
que o Festival Sem Tabu armou com os filmes prá lá de sacanas do inusitado
Mundo Canibal e de quebra mostram seu recente filme "Companheiro Pop Up".
Depois dessa maratona de filmes arrojados até Zeca resolve tirar a roupa...e
Seth se engraça com a pioneira em quebrar tabus na animação...a deliciosa
Betty Boop.

O programa vai ao ar no dia 09 de novembro as 19 horas pela TV Brasil.

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

7 MUMIA - imprensa






Jornal Hoje em Dia 26/10/09
Essa matéria pode ser vista também em: http://www.hojeemdia.com.br/cmlink/hoje-em-dia/divers-o/filmes/mostra-udigrudi-exibe170-produc-es-1.29263

quarta-feira, 4 de novembro de 2009

7 MUMIA - imprensa
























Esta matéria pode ser vista também em: http://portal6.pbh.gov.br/dom/iniciaEdicao.do?method=DetalheArtigo&pk=1013005

terça-feira, 3 de novembro de 2009

7 MUMIA - Imprensa




Essa Materia pode ser vista tambem em: http://www.new.divirta-se.uai.com.br/html/sessao_3/2009/10/26/ficha_critica/id_sessao=3&id_noticia=17045/ficha_critica.shtml

segunda-feira, 2 de novembro de 2009

7 MUMIA - Imprensa



















Vc tambem pode ver essa materia em:
http://www.otempo.com.br/jornalpampulha/noticias/?IdNoticia=5039

domingo, 1 de novembro de 2009

ANIMANIA TEM GATO





Zeca pesquisa os movimentos dos gatos e Seth fica chateado com tantos
felinos por perto. Zeca fala com a animadora Cristiane Fariah que mostra o
filme "Gato Preto", inspirado em conto de Edgar Alan Poe. No quadro Córtex ,
eles veêm o gato mais famoso da animação brasileira, no premiado filme
"Meow", de Marcos Magalhães. O animador Sérgio Glenes aparece e explica como
nasceu a arte de seu filme "Atirei o pau no gato", feito a partir da famosa
cantiga popular. Para completar o trabalho, Zeca manda Seth num passeio
perigoso à procura de um gato animado...será que dessa vez, Seth vira comida
de gato?

O programa vai ar ar no dia 02 de novembro as 19 horas pela TV Brasil

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

MUMIA - REPERCUSSAO NA WEB




Saiu hoje um artigo do 7 MUMIA - MOSTRA UDIGRUDI MUNDIAL DE ANIMAÇÃO na revista Rocket Magazine - Contemporany Culture Magazine - Barcelona/España.

http://www.rocketmagazine.net

October 27th, 2009 | Published in Cinema

Del 26 de octubre al 1 de noviembre, acontece La 7ª Mostra MUMIA – La Muestra Underground de Animación Mundial en el Palácio das Artes/Cine Humberto Mauro, en la ciudad de Belo Horizonte, Brasil.

El proyecto busca difundir las producciones independientes que no encuentran sitio en el mercado de los grandes blockbusters, dando a la población la oportunidad de conocer lo que de mejor se produce en el circuito independiente de cine y video producciones nacional e internacional.

Creada por artistas de cine que buscaban un espacio para presentar sus trabajos, MUMIA presenta películas de animación de todo el mundo. La Muestra tendrá amplia programación, que realizará de 3 a 5 sesiones por día. La programación completa está disponible en http://www.mostramumia.blogspot.com/.

Bajo el lema “Un año mágico para las animaciones”, en 2009, serán presentados aproximadamente 220 películas producidas en veintiséis países, además de Brasil: Inglaterra, Australia, Estados Unidos, China, Argentina, Letonia, Holanda, Suecia, Rusia, Finlandia, Méjico, Irlanda, Portugal, Francia, Polonia, Chile, Italia, Eslovaquia, Japón, Bélgica, Nueva Zelanda, Canadá, Bolivia, España y Sudáfrica.

La Asociación Internacional de Películas de Animación – ASIFA, que cuenta con aproximadamente 50 países afiliados, en 2002, instituyo el día 28 de octubre el Día de la Animación y en Brasil, la ABCA - Associação Brasileira de Cinema de Animação (Asociación Brasileña del Cine de Animación) organiza las conmemoraciones. MUMIA presentará sesiones especiales en ese día.

En esa edición el público podrá ver las muestras especiales advenidas de Méjico, Animasivo 01 y 02, de Finlandia las animaciones del Festival Internacional de Cortos metraje Trampere, de Inglaterra exhiben los trabajos de Ian Mackinnon, de Portugal Abi Feijó y Regina Pessoa, y finalmente de Brasil los importantes Arnaldo Galvão, Telmo Carvalho y Urubutrix.

La novedad de 2009, siguiendo el rumbo de los grandes festivales mundiales (véase el SonarKids) es la Sesión Baby (Sessão Bebê) en colaboración con el Cine Huberto Mauro, que privilegiará el público de padres y madres con sus hijos pequeños. Acontece el día 31, sábado, a las 16h.

La Muestra MUMIA es una realización de Leite Filmes (representado por el premiado director Sávio Leite), con el apoyo del Ayuntamiento de Belo Horizonte y del CRAV – Centro de Referência Audiovisual (Centro de Referencias Audiovisuales).
Toda la programación es gratuita. Las invitaciones serán repartidas en el cine con media hora de antelación.

T. Janine Avelar
Corresponsal Rocket Magazine Brasil

Tambem saiu em outros orgaos como:

Globo MInas
http://globominas.globo.com/GloboMinas/Entretenimento/0,,MUL1352342-9147-16520,00.html

http://video.globo.com/Videos/Player/Noticias/0,,GIM1150766-7823-MG+CULTURA+ELBA+RAMALHO+SE+APRESENTA+EM+BELO+HORIZONTE,00.html

Diario Oficial do Muncipio de BH
http://portal6.pbh.gov.br/dom/iniciaEdicao.do?method=DetalheArtigo&pk=1013005

Curta o Curta
http://www.curtaocurta.com.br/jornal/1987

Conexao Vivo
http://www.conexaovivo.com.br/noticias/mumia-e-dia

Jornal O Tempo: http://www.otempo.com.br/jornalpampulha/noticias/?IdNoticia=5039

Jornal O Estado de Minas: http://www.new.divirta-se.uai.com.br/html/sessao_3/2009/10/26/ficha_critica/id_sessao=3&id_noticia=17045/ficha_critica.shtml

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

7 MUMIA - PROGRAMAÇÃO


















7º MUMIA – Mostra Udigrudi Mundial de Animação | 26 de outubro a 1° de novembro

Palácio das Artes - Cine Humberto Mauro

De 26 de outubro de 01 de novembro, o Cine Humberto Mauro recebe o MUMIA - Mostra Udigrudi Mundial de Animação, que chega a sua sétima edição com ampla programação, incluindo mostras especiais e competitivas, além de duas sessões especiais no dia 28/10, marcando as comemorações do Dia da Animação.

Para comemorar a data, a Associação Internacional do Filme de Animação – ASIFA lançou, em 2002, o Dia Internacional da Animação, que conta atualmente com grupos internacionais filiados em cerca de 50 países. No Brasil o “Dia Internacional da Animação” é organizado pela Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA).

Em 2009, o MUMIA apresenta cerca de 220 filmes produzidos em vinte e sete países, além do Brasil: Reino Unido, Austrália, Alemanha, USA, China, Argentina, Letônia, Holanda, Suécia, Rússia, Finlândia, México, África do Sul, Irlanda, Portugal, França, Polônia, Chile, Irlanda, Itália, Eslováquia, Espanha, Japão, Bélgica, Nova Zelândia, Canadá e Bolívia.

Mantendo a proposta dos anos anteriores, a mostra continua incentivando a produção cinematográfica e videográfica de animação, dando acesso ao público a uma parcela da produção nacional e internacional, que, por não pertencer a grandes produtoras, acaba ficando à margem do circuito comercial. Neste ano, a novidade é a parceria com um projeto do Cine Humberto Mauro, a Sessão Bebê. A exibição especial para mães e pais com crianças de colo irá ocorrer no sábado, 31/10, às 16hs.

Para maiores informações acesse: www.mostramumia.blogspot.com

7º MUMIA: ENTRADA FRANCA COM RETIRADA DE INGRESSOS MEIA HORA ANTES DA SESSÃO

Leia o texto do Sávio Leite, coordenador do MUMIA


Programação

26 SEG
17h Nacional 1
19h CINECLUBE CURTA CIRCUITO
21h SESSÃO DE ABERTURA | Idiots and Angels

27 TER
17h Nacional 2
18h30 Nacional 3
20h Nacional 4
21h Nacional 5

28 QUA
17h Internacional 1
19h MOSTRAVÍDEO ITAÚ CULTURAL
20h30 Mostra Internacional – Dia Internacional de Animação

29 QUI
17h Internacional 2
18h30 Internacional 3
20h Internacional 4
21Internacional 5

30 SEX
17h Intercional 6
18h30 Internacional 7
20h Internacional 8
21h Internacional 9

31 SAB
16h SESSÃO BEBÊ – Mostra Especial MUMIA
17h Mostra Especial - Abi Feijó e Regina Pessoa
18h30 Mostra Arnaldo Galvão
20h Mostra Especial Telmo Carvalho /Urubutrix
21h Mostra Especial - Ian Macknnon

01 DOM
16h Mostra Especial - Animações Finlandesas
18 Mostra Especial - Telmo Carvalho / Urubutrix
20h Mostra Especial Animassivo México 1 e 2 e Mostra Especial - Ian Macknnon

Toda a programação poder ser acessada em:
http://www.fcs.mg.gov.br/agenda/1335,7º-mumia-–-mostra-udigrudi-mundial-de-animacao.aspx

sábado, 17 de outubro de 2009

7 MUMIA - Release




MUMIA chega com fôlego total sua 7º edição

Já consagrado no meio como um dos principais eventos de animação do país, o MUMIA – Mostra Udigrudi Mundial de Animação – chega ao seu sétimo ano, mais uma vez, com uma ampla programação que inclui filmes nacionais e internacionais, além de mostras especiais. De 26 de outubro a 1º de novembro, o público tem a chance de conferir as exibições em três sessões diárias, às 17h, 19h e 21h, no Cine Humberto Mauro, Palácio das Artes.

A abertura acontece no dia 26, às 21h, com exibição de “Idiots and Angels”, do premiado diretor norte-amerticano Bill Plympton. Toda a programação é gratuita. O MUMIA é uma realização da Leite Filmes, com apoio da Prefeitura de Belo Horizonte, por meio da Fundação Municipal de Cultura e do CRAV – Centro de Referência Audiovisual.

Com o lema “Um Ano Mágico em Animações”, o 7º MUMIA vai exibir 220 filmes do Brasil e de vinte e seis países: Reino Unido, Austrália, Alemanha, USA, China, Argentina, Letônia, Holanda, Suécia, Rússia, Finlândia, México, África do Sul, Irlanda, Portugal, França, Polônia, Chile, Itália, Eslováquia, Espanha, Japão, Bélgica, Nova Zelândia, Canadá e Bolívia. Muitos deles são vencedores de prêmios importantes e representam diversos estilos de animação.

O público poderá conferir também as mostras especiais, que nessa edição trazem do México o Animasivo 01 e 02, da Finlândia as animações exibidas no Festival Internacional de Curtas de Tampere, da Inglaterra o trabalho de Ian Mackinnon, de Portugal Abi Feijó e Regina Pessoa, e do Brasil, Arnaldo Galvão, Telmo Carvalho e Urubutrix.

Segundo o Cineasta Sávio Leite, organizador da mostra, a expectativa para a 7ª edição do MUMIA é a melhor possível. “Além da abertura com um nome de peso, no caso, “Idiots and Angels”, de Bill Plympton, e os mais de 200 filmes provenientes de vários países, contamos ainda com uma parceria com o Dia Internacional da Animação. Vamos transformar Belo Horizonte na capital do reino ilimitado da Animação”.

O MUMIA mantém a proposta dos anos anteriores de incentivar a produção cinematográfica e videográfica de animação brasileira, dando acesso ao público mineiro a uma parcela da produção nacional e internacional, que, por não pertencer a grandes produtoras, acaba ficando à margem do circuito comercial. A proposital falta de um rigoroso critério de seleção no MUMIA, uma das marcas da mostra, fomenta, também, projetos experimentais, insurgentes, críticos e diferentes.

Evento:MUMIA - Mostra Udigrudi Mundial de Animaçao
Local: Cine Humberto Mauro - Palácio das Artes - Belo Horizonte
Data: 26 de outubro a 1 de novembro
Entrada franca
Balcão de Informações: 31 3236-7400 31 3236-7400

sexta-feira, 16 de outubro de 2009

7 MUMIA - VINHETA



A vinheta foi feita a partir do filme: Em busca da cor de Telmo Carvalho, com ruidos e musica de O Anão que virou gigante de Marão. Ambos em exibicão.

UMA VIAGEM PELOS QUADRINHOS DE GUY DESLILE
















Foto: Nathália Turcheti
Belo Horizonte foi palco de mais uma edição do seu já tradicional Festival Internacional de Quadrinhos. De 06 a 12 de outubro o Palácio das Artes, no Centro de Belo Horizonte recebeu mais de 100.000 visitantes em uma serie de debates, lançamento de livros, encontros, desenhos, mostras de animações, imprensa internacional, muitos convidados estrangeiros e uma grande programação dedicada ao ano da França no Brasil.

Um dos convidados foi o canadense Guy Deslile que abriu a serie de debates na Sala Juvenil Dias falando sobre animação e cinema, junto com Lancast do Rio Grande do Sul e Sávio Leite, diretor da MUMIA – Mostra Udigrudi Mundial de Animação. Guy Delisle estudou animação em Toronto e trabalhou em vários estúdios espalhados pelo globo: Canadá, França, Alemanha, China e Coreia do Norte. Foi durante seu trabalho na Ásia que ele escreveu, e posteriormente desenhou, seus primeiros diários de viagem narrando suas experiências e aventuras na China e na Coreia do Norte: SHENZHEN e PYONGYANG. Atualmente ele está em Israel, para onde foi acompanhando sua mulher, que está trabalhando na MSF naquele país.

Vale dizer que os livros de Guy Deslile são uma lição de humor e de tolerância. Uma forma de lidar com a diversidade e adversidade ao mesmo tempo. Trabalhando em países exóticos como a Birmânia, Coréia do Norte e China. Em Belo Horizonte Guy Deslile desfilou uma paciência sem limites autografando muitos livros com desenhos que demoravam longos minutos sendo feitos.

Em PYONGYANG (192 paginas) Delisle traça um retrato irônico e crítico da Coréia do Norte, apresentando seu testemunho único do país, dos habitantes, dos costumes, da situação de expatriado e do regime totalitário de Kim Jong-Il, a única dinastia comunista do mundo. Com a companhia constante e obrigatória de um guia e um tradutor, ele percorre a capital e arredores com seu olhar de artista, vendo além do que é cuidadosamente selecionado para ser apresentado aos raros visitantes estrangeiros.
Antes de viajar, Delisle, precisou assinar um contrato de confidencialidade de informações e só pôde publicar PYONGYANG quando a empresa francesa para a qual trabalhava faliu. A mesma já havia ameaçado processá-lo quando soube da intenção do autor de transformar os acontecimentos de sua estada na Coréia do Norte em um diário.
Uma visão ao mesmo tempo pessoal e informativa sobre a Coréia do Norte, onde os jornalistas não são bem-vindos, e nem Guy Delisle, depois desta graphic novel.

CRÔNICAS BIRMANESAS (272 paginas) é um retrato atemporal, incisivo e sensível de Myanmar, onde permaneceu por 14 meses, acompanhando sua mulher, que trabalha para a organização humanitária Médicos Sem Fronteiras (MSF). Ele narra sua estada no país, onde aos poucos foi descobrindo a realidade política, social, cultural, religiosa e de saúde desta nação asiática governada por uma junta militar, e onde a economia é dominada por grandes grupos industriais internacionais. Revistas e jornais censurados a golpes de tesouras, apagões diários em toda a cidade, regiões isoladas do resto do mundo pelos militares, internet monitorada pela censura, populações de vilas inteiras entregues à dependência de heroína e a líder de oposição, Aung San Suu Kyi, confinada em prisão domiciliar por mais de uma década. Esses temas são mesclados com outros mais leves, como o dia-a-dia com seu pequeno filho Louis, sua estada para meditação em um templo budista ou a alienação dos estrangeiros que ali habitam, formando um retrato do país, com muito humor, crítica e informações a que dificilmente teríamos acesso.

SHENZHEN (156 páginas) Um relato de viagem em história em quadrinhos, que traz as observações de Guy Delisle sobre a vida nessa fria cidade do sul da China, situada ao lado de Hong Kong e isolada do resto do país por cercas elétricas e vigiada por guardas armados.Trabalhando para uma empresa europeia de animação que terceiriza o trabalho para estúdios asiáticos, o autor narra sua experiência de vida no trabalho, na relação com as pessoas e também nos mostra os costumes do país. Shenzhen foi a primeira região da China a ser declarada Zona Econômica Especial, e é um dos locais onde grande parte da população chinesa almeja morar e trabalhar: em poucas décadas, a pequena vila de pescadores se transformou em uma megalópole de 14 milhões de habitantes. Este crescimento acelerado e dirigido, voltado exclusivamente para os negócios, tornou-a uma cidade fria e impessoal, o que é sentido na pele por Delisle. A solidão de expatriado é uma constante na vida do autor, que realiza experimentos e brincadeiras para tornar sua permanência de três meses na cidade um pouco mais suportável.


Saiba mais:
http://www.fiqbh.com.br/?tag=guy-delisle

http://www.zarabatana.com.br/p06.htm

http://www.guydelisle.com/index.html
http://www.guydelisle.com/WordPress/